Thursday, April 06, 2006

Baby, it's you (*)

Just how can I not? Levantaste-te e foi a primeira coisa que me passou pela cabeça. How can I not? Olho e gosto de tudo o que vejo. Está lá. Ali. Tudo. Cada pormenor, Sorriso interno. És tu. És tu. Ali. Com o teu jeito. És tu. E gosto disso. Gostei daquilo. És tu. És assim porque és. E eu gosto daquilo que és. És tu. Sempre foste tu. Ali. Aqui. How can I not? Tu. Tu. O teu jeito. Gosto de ver a pessoa que és. Gosto daquilo que és. O teu jeito. Acho-te isto e aquilo. Gosto disto e daquilo. Ali. És tu.

Por algum motivo estranho. Está(s) lá. Ali. Meu menino. Sempre. Meu menino. Parvalhão. És tu. Tu sabes. Tu sabes. Tu sabes. Não minto quando digo aquilo. E tu sabes. Dizes sempre que sabes. Tu sabes. Tu sabes que és. Tu sabes o que és. Ali. Aqui.

Em mim. Não me canso de ti. Da pessoa que és. Ah, e odeio-te. Odeio-te quando és assim. E odeio-te quando fazes isto ou aquilo. E vejo os teus defeitos, as tuas falhas. E és real. E eu adoro-te. Muito.

Faltas-me tu. Ainda não foi hoje. Menino, menino. És tu, tu. O sítio, o sítio. Tu.


Just how can I not?


E porque é que tive de ser tão feliz? Ali, contigo? Ali, no sítio?




I still don't know how to quit you.




(*) Roswell, season 2, eps 19



2 comments:

eli said...

é bom ser feliz, apesar de passados uns tempos a felicidade "acabar" retiramos sempre algumas coisas boas do que passou.
momentos que ficam guardados para sempre ou quase...
bjinhos

xary said...

lá está o gostar para lá das falhas, por mais que nos irritem. por mais que se pense (e às vezes se sinta) que só o queremos longe, escondido da vista de modo a enganar o coração e desse também se esconder. mas somos nós que nos escondemos de tudo.
é aquele. e não há como escapar. aquele e aquelas recordações e aquele sítio e aquilo que se sentiu. e odiar amar isso tudo.

(adoro como repetes palavras e soa a melodia, soa a mente a rebobinar. repetes mas não se torna repetitivo. lovely.)

beijo grande*