Thursday, March 23, 2006

Little dance in the rain

O momento mais cómico da semana, talvez até do ano (até agora) e depois, chuva! Rimos que nem umas perdidas... Gone with wind... Bem, já que não há nada a fazer, vamos de aproveitar a chuva.

Que tímida... De cabeça baixa, casaco fechado até cima. Medo de água? Vai passear! E levantei a cabeça em plena Baixa Lisboeta. A chuva picava-me a cara. Poças de água. A cara já escorria. O casaco manchado das cores da mala. Cabelo a pingar. Todos corriam. Mas eu não. Esperei muito tempo por uma oportunidade destas. Chuva. E senti-me muito bem.

Já há muito tempo que não me sentia assim. Desde 7 de Fevereiro, se bem que houve outro dia... Mas isso foi diferente. Estava livre. As coisas vão ficar todas molhadas, pensei. Mas não faz mal. E mesmo que fizesse, o que é que eu podia fazer? Chuva. Água a escorrer. Todos corriam. Mas eu não. Não tinha pressa.

A chuva caía e picava a minha cara e eu estava mesmo feliz. Tudo calmo. Aquilo resolvido. Está tudo bem entre nós? Gargalhada... E aquilo...hoje senti mesmo a tua falta. Foi estranho, porque desde que te foste nunca tinha estado assim. Tirando, claro, as vezes que estive com ele. E foi por isso que foi mais estranho. Não estava lá ninguém. Eu estava sozinha e estava mesmo bem, e isso nunca mais tinha acontecido desde que te foste.

A chuva escorria e eu pensei em ti. E como as coisas estão agora. Chuva. Sorriso parvo. Memórias tuas e dele. Levanta a cabeça, não estás suficientemente molhada. E sorri, porque ele foi e ele não está, mas ele olha por ti e ele é ele! (it makes sense on my head...).

Quase em casa. Pai, não estejas já em casa, quero ir para debaixo da chuva sem a preocupação das coisas molhadas. Casa. Vazia. Deixa as coisas em casa, tira o casaco, solta o cabelo. Chuva. Fraca, fraca. Estava mais forte em Lisboa. Mas é chuva. A casa verde. Chuva, chuva.

Banho quente. Pijama. Chá. Cobertor. Filme na sala. Pai em casa. Está bem, eu tiro o filme, mas só porque fazes anos e eu gosto de ver filmes sozinha. Guilherme quase a chegar. Festa.

Isto para dizer que as coisas são mesmo assim. Voltas e mais voltas. Chorava todas as noites. A foto ainda lá está, tio. Não a tirei. E não vale a pena, quando estamos todos juntos, estamos com o pensamento em ti. E as lágrimas chegam e eu impeço-as. Mas não agora. Não aqui. Ninguém me vê, e eu posso chorar. E as coisas estiveram mesmo mal. Primeiro tu, depois aquilo e depois a sequência. E eu chorei muito. Muito mesmo. E estive mesmo triste. Mas como tudo passa, também isto passou. E sorri quando tive que sorrir, e chorei quando tive que chorar (porque nem tudo são dramas).

E caí. Mas levantei-me. E hoje à chuva ergui a cabeça. E olhei para cima. E pensei em vocês. Todos mesmo. E para não haver hierarquias, ordem alfabética: Ana, Anokas, Bruna, Catarina, Chico, Eliana, Inês, Iolanda, Jason, Joana, mana, Manata, Marim, Marrocos, Marta, Miguel, Philip, Rogério, Sari, Sérgio, Tatiana, Xary. Obrigada a todos.

Sabem o que pensei? Às vezes a única coisa que nós precisamos é parar and do a little dance in the rain. E quando a queda é grande, a subida é ainda mais a pique. E vocês, cada um da sua maneira, ajudou na subida. Uns com palavras de preocupação, outros com gestos. Cada pessoa faz falta por motivos diferentes. No matter how cold the winter there's a spring time ahead. Just stop and do a little dance in the rain. Apesar de tudo, temos sempre muitas coisas pelas quais agradecer.

E a minha maior alegria está mesmo aqui a chatear-me o juízo e a pedir-me para jogar computador. E ainda por cima, disse que gostava do desenho do Sporting do Miguel... Ai Cristo... O puto não se cala com os dinossauros. Bem, vamos ver dinossauros!!

:)


6 comments:

Tati said...

Depois da tempestade vem a bonança!
Como eu costumo dizer: tudo passa, and so will this!

joana said...

rimos que nem umas perdidas... eu inda fiquei a olhar para o cabo do chapeu (k é cm kem diz, o pau) sem chapeu... sabe bem...

as coisas de vez em quando chegam a um ponto em k o melhor é mesmo não kerer saber - tu danças à chuva, eu canto (tão cliché) e salto para dentro das poças (molhada por molhada...)

carpe diem todos os dias!!!

(THE WORLD MUST BE PEOPLED)

******************************

eli said...

mas ha coisa melhor que andar à chuva e chegar a casa molhada? nahhhhhhh
bjinhos

Anaoj said...

Eu cá também gosto de andar à chuvA-A-A-A-TCHIMM!!!

sancie said...

"Just my kind of good weather."

;)*******************

xary said...

também levei com a molha - no caminho para a faculdade - mas em vez de abraçar a chuva quis repudiá-la. big mistake. porque assim, as gotas atravessam as falhas e atingem o que se encontra no centro, molhanndo tudo por dentro. encharcada. talvez fosse da cegueira. mas um dia em que a chuva me apanhe outra vez, pode ser que me deixe ficar a recebê-la.

temos mesmo muitas coisas pelas quais agradecer :) mas qualquer apoio que possas ter recebido e venhas a receber, no need for thank you's ;) é dado com gosto. não, com gosto, não. com amizade.

beijo grande linda * take care

beautiful post, as usual :)